POR QUE A NASA QUER LEVAR BATATAS PARA MARTE

  • Para pesquisadores, batatas poderiam alimentar uma futura colônia humana em Marte
    Para pesquisadores, batatas poderiam 
  • alimentar uma futura colônia humana em Marte

Por que a Nasa quer levar batatas para Marte


Pouco sabemos sobre os detalhes da viagem que, em algum momento do futuro, levará o primeiro explorador humano a Marte.

Porém, é bem possível que a batata peruana figure na dieta desse astronauta pioneiro.

A Nasa (agência especial americana), em conjunto com o Centro Internacional da Batata (CIP, na sigla em espanhol), com sede no Peru, está fazendo experimentos para descobrir como se desenvolveriam os tubérculos peruanos em solo marciano.

Para isso, deram início a um cultivo experimental de batata em condições que simulam as do planeta vermelho.

Segundo as instituições, na Terra há poucos lugares para o teste melhores que o deserto de Pampas de la Joya, no Peru, na fronteira com o Chile.

"São solos vulcânicos que não contêm nenhuma forma de vida, assim como em Marte", afirmou à BBC Mundo, serviço em espanhol da BBC, Joel Ranck, chefe de comunicações do CIP.

Dieta para todos

Além das paisagens "marcianas", há outro motivo que torna o Peru o local ideal para fazer experimentos com batatas.

"Aqui temos 4,5 mil variedades de batata. Por isso, o Peru é um lugar muito bom para descobrir qual delas melhor se ajustaria às condições de Marte", afirma o porta-voz da CIP, instituição que faz parte de uma rede internacional de centros de investigação agrícola.

O cultivo da batata tem um lugar especial na cultura peruana

Na primeira fase do experimento, Julio Valdivia, um cientista peruano afiliado à Nasa, colherá amostras do solo desértico e entregará aos laboratórios da CIP, onde até nove tipos de batata serão testados nessas condições severas.

A partir daí, será usada uma tecnologia desenvolvida pela Nasa para replicar também as condições atmosféricas de Marte, e ver que efeitos elas teriam sobre as plantas.

A ideia é deixar os astronautas com uma boa ideia do quão viável seria a colonização agrícola do planeta com esse tipo de cultivo.

Hollywood

Trata-se de uma ideia que, de alguma maneira, está na moda graças a Hollywood.

É exatamente isso que faz o personagem de Matt Damon, um astronauta abandonado no planeta vermelho, no recente filme Perdido em Marte.

Para sobreviver nos meses que antecedem a chegada de uma missão de resgate, ele semeia o tubérculo em solo marciano, e assim consegue se alimentar.

"As batatas são uma excelente fonte de vitamina C, ferro e zinco", lembra Ranck.

"Não acreditamos que ninguém deva depender exclusivamente de um só alimento, mas a batata é muito nutritiva. Uma só, fervida, entrega a vitamina C que um adulto precisa para um dia", explica.

Segundo ele, não há dúvidas de que a batata seria uma parte importante da dieta variada e balanceada da qual necessitariam os astronautas para levar adiante suas 

tarefas a 225 milhões de quilômetros da Terra.

Laboratórios da CIP têm amostras de mais de 4 mil tipos de batata

Batata congelada

Uma das variáveis que preocupam os pesquisadores é que as batatas comecem a germinar antes do tempo.

"Estimamos que a viagem a Marte leve nove meses", conta o porta-voz da CIP.

E como já sabe qualquer um que tenha armazenado batatas em casa, depois de um tempo os tubérculos começam a germinar. Por isso, a ideia seria congelá-las durante a travessia espacial.

Os experimentos que buscam responder a essas questões serão realizados na sede da CIP, em Lima, e em outras localidades, incluindo o deserto.

Eventualmente também se integrarão ao time de pesquisadores especialistas e estudantes de universidades de vários países, que ajudariam a reunir os dados necessários para o estudo.

O conhecimento a ser obtido, aliás, não se limitará à aplicação em viagens interplanetárias.

"A batata é o terceiro cultivo mais importante do mundo, e é parte da dieta de quase todas as culturas humanas", explica Ranck.

Com o aquecimento global e a desertificação, fica cada vez mais importante encontrar variedades mais resistentes a condições de seca, lembra.




Cientistas encontram sinais de água líquida e corrente em Marte

1/6
28.set.2015 - As marcas escuras e estreitas, de cerca de 100 m de comprimento por 5 m largura, foram registradas pela sonda MRO em Marte. Cientistas da Nasa acreditam que os leitos provam que existe água líquida e corrente no planeta Universidade do Arizona/ NASA/JPL



Cientistas encontram sinais de água líquida e corrente em Marte6 fotos

2 / 6
28.set.2015 - A hipótese inicial, publicada na revista "Nature Geoscience", é de a água corre ali, nos dias de hoje, e forma as estrias. Os pesquisadores apostam ainda que a água é salgada, porque já foram encontrados sais hidratados nas marcas da cratera Hale Universidade do Arizona/ NASA/JPL



Cientistas encontram sinais de água líquida e corrente em Marte6 fotos

3 / 6
28.set.2015 - Nesta imagem divulgada pela Nasa é possível ver as listras estreitas e escuras, onde os cientistas acreditam que a água em estado líquido flui atualmente Universidade do Arizona/ NASA/JPL



Cientistas encontram sinais de água líquida e corrente em Marte6 fotos

4 / 6
28.set.2015 - Imagens de alta resolução mostraram que as estrias aparecem nas encostas da cratera durante as estações quentes e alongam-se para, em seguida, desaparecerem durante as estações mais frias. A variação de temperatura sugere que elas sejam feitas por água líquida Universidade do Arizona/ NASA/JPL



Cientistas encontram sinais de água líquida e corrente em Marte6 fotos

5 / 6
28.set.2015 - Imagens divulgadas pela Nasa mostram marcas estreitas e escuras nas encostas de Coprates Chasma, região equatorial de Marte. De acordo com os cientistas, as listras seriam formadas por água em estado líquido que descem pela encosta marciana. A água seria salgada, porque já foram descobertos sais hidratados nas estrias Universidade do Arizona/ NASA/JPL



Cientistas encontram sinais de água líquida e corrente em Marte6 fotos

6 / 6
28.set.2015 - As marcas escuras e estreitas, de cerca de 100 m de comprimento por 5 m largura, foram registradas pela sonda MRO em Marte. Cientistas da Nasa acreditam que os leitos provam que existe água líquida e corrente no planeta Universidade do Arizona/ NASA/JPL

Fonte:http://noticias.uol.com.br/ciencia/ultimas-noticias/bbc/2016/01/05/por-que-a-nasa-quer-levar-batatas-para-marte.htm#fotoNav=6

  • Para pesquisadores, batatas poderiam alimentar uma futura colônia humana em Marte

Postagens mais visitadas deste blog

XINGU : O PARQUE NACIONAL INDÍGENA DO XINGU

JARDIM VERTICAL : PAREDES VIVAS,COMO SOLUÇÃO PARA OS TEMPOS MODERNOS

PLANTAS COMPANHEIRAS E PLANTAS ANTAGÔNICAS : ALELOPATIA