A EMOCIONANTE HISTÓRIA DA CADELA QUE EMPURRA SEU DONO PARAPLÉGICO PARA O TRABALHO TODOS OS DIAS



Todos os dias, o chinês Ma’nao, de 59 anos, sai de sua casa para ir até o ponto em que costuma engraxar e consertar sapatos acompanhado de Big Yellow, uma cadelinha pra lá de especial. Esta seria uma cena comum se não fosse por um detalhe: o engraxate, que é paraplégico, usa uma cadeira de rodas improvisada para se movimentar e sua fiel companheira ajuda a empurrá-lo.
Ma’nao vive em uma vila chamada Magou, em Louyang, na China, e ganha a vida engraxando sapatos. Aos seis anos de idade, ele sofreu de poliomielite, doença que o deixou sem o movimento das pernas. Com poucos recursos, o chinês criou uma espécie de cadeira de rodas, mas nem sempre é fácil andar pra lá e pra cá. Sem filhos e viúvo, Ma’nao vive há anos na companhia de seus cachorros, cuja lealdade não se pode questionar.
Big Yellow, que tem 2 anos, está sempre ao lado do dono e pronta para ajudar quando preciso. Na hora do almoço, a cadela sai para procurar restos de comida em restaurantes e lanchonetes da região, já que, com pouco dinheiro, Ma’nao nem sempre consegue alimentá-la.
A emocionante história se tornou viral na China e chegou aos ouvidos do governo chinês, que ofereceu a Ma’nao ajuda financeira e uma cadeira de rodas nova. Apesar de tentar se adaptar à nova cadeira, o engraxate afirma estar acostumado com a antiga e, provavelmente, irá continuar contando com a ajuda de Big Yellow.
cadeira-rodas-cachorro1
cadeira-rodas-cachorro2
cadeira-rodas-cachorro3
cadeira-rodas-cachorro4
cadeira-rodas-cachorro5
cadeira-rodas-cachorro6
cadeira-rodas-cachorro7
cadeira-rodas-cachorro8
cadeira-rodas-cachorro9
Todas as fotos via China Bouncing

Fonte:http://www.hypeness.com.br/2015/01/a-emocionante-historia-da-cadela-que-empurra-seu-dono-deficiente-para-o-trabalho-todos-os-dias/

Postagens mais visitadas deste blog

XINGU : O PARQUE NACIONAL INDÍGENA DO XINGU

JARDIM VERTICAL : PAREDES VIVAS,COMO SOLUÇÃO PARA OS TEMPOS MODERNOS

PLANTAS COMPANHEIRAS E PLANTAS ANTAGÔNICAS : ALELOPATIA