FLORES SÃO BOAS DE TIMING,POIS SABEM A HORA DE ESPALHAR O PERFUME


Petúnia
Pesquisadores da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, desconriram que o gene LHY comanda a produção e liberação do perfume nas petúnias(VEJA.com/Reuters)
Boas de Timing: Flores sabem a hora de espalhar o Perfume

Biólogos americanos descobriram que as petúnias só liberam odor quando os polinizadores chegam, seduzindo os insetos que garantem a reprodução das plantas

30/06/2015 às 15:47 

Na sedução, saber a hora certa de agir é uma qualidade preciosa, que separa os bem-sucedidos dos fracassados. As petúnias, flores de pétalas delicadas e comuns nos jardins brasileiros, são mestres nessa arte. De acordo com uma pesquisa publicada na segunda-feira (29) no periódico Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), elas sabem exatamente quando liberar perfume para atrair polinizadores e, assim, garantir a reprodução e a perpetuação dos genes.
De acordo com os pesquisadores da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, as petúnias desenvolveram um sistema sofisticado para relacionar a liberação de químicos perfumados ao momento em que os insetos que fazem a polinização estão ao redor. Assim, elas agarram os insetos "pelo perfume" e garantes as suas sementes.
Inteligência das plantas - Há alguns anos, os cientistas estão descobrindo que os vegetais têm habilidades de comunicação, defesa e memória. O que encontraram agora é uma complexa estratégia para potencializar a sedução e a reprodução. O estudo demonstra como o gene LHY, encontrado em muitas espécies vegetais e ligado ao ritmo circadiano (que regula um grande número de processos biológicos nas células), é usado pelas petúnias para comandar a liberação dos odores. O gene é mais ativo durante a manhã, quando as flores produzem os químicos perfumados, e controla a liberação para o período noturno.
"As plantas emitem seu perfume quando querem atrair polinizadores. Faz sentido que elas sincronizem essa ação quando todos os polinizadores estão chegando", afirma o biólogo Takato Imaizumi, um dos autores do artigo.
No futuro, os cientistas pretendem manipular a atividade do gene LHY para testar se a polinização se torna mais ou menos eficaz. Se ele realmente ajudar na reprodução das espécies, pode ser uma descoberta valiosa para a indústria agrícola.

Linguagem


Uma das formas de as plantas se comunicarem é por meio de compostos orgânicos voláteis (VOC), que viajam pelo ar. Nos anos 1980, dois estudos, um deles publicado na revista "Science", mostraram evidências de que esses químicos serviam para a comunicação vegetal. Dez anos depois, o biólogo Edward Farmer, da Universidade de Lausanne, na Suíça,mostrou como, em laboratório, artemísias emitiam grandes quantidades de metil jasmonato ao serem atacadas por insetos. Esse composto, recebido por folhas de tomate, fazia com que o fruto ficasse mais resistente a pragas — ele passava a produzir moléculas que, consumidas pelos insetos, interrompem sua digestão. A última comprovação de que a linguagem vegetal ocorre por meio dos VOCs veio no fim de 2013, com uma pesquisa publicada no periódico "Ecology Letters". Ela mostrou que, em condições naturais, as folhas que recebem esses químicos de vizinhas feridas tornam-se mais resistentes a herbívoros. Outra maneira com que as plantas "falam" umas com as outras foi mostrada em um estudo de 2010, publicado na revista "Plos One". Ele explica como um pé de tomate infectado por uma doença avisa os outros por meio de micorrizas, fungos que surgem nas raízes. Ao lado das micorrizas, os tomates produzem enzimas defensivas, tornando-se mais resistentes a doenças. Os pesquisadores concluíram que esse pode ser um tipo de comunicação vegetal 
subterrâneo.


Rosas

Enzima descoberta pelos cientistas pode ser chave para fixar, melhorar ou reintroduzir o perfume nas pétalas das rosas(iStock/Getty Images)
Saiba por que algumas rosas cheiram mais que outras

Estudo publicado na revista 'Science' pode ajudar a restaurar o aroma das espécies, perdido ao longo do tempo com o melhoramento estético das rosas

03/07/2015 às 15:50 

As rosas e seu perfume inspiram gerações de artistas e poetas desde a antiguidade. "Se a rosa tivesse outro nome, ainda assim teria o mesmo perfume", escreveu Willian Shakespeare em Romeu e Julieta. No século XVI isso poderia ser verdade, mas hoje não é bem assim. Grande parte das rosas atuais não tem mais o odor característico. Com seleção e cruzamento de traços genéticos para realçar a cor e longevidade, elas têm pouco ou quase nenhum perfume. Mas uma nova descoberta, publicada nesta quinta-feira na revista Science, revela por que algumas rosas cheiram mais que outras e dá pistas para resgatar a fragrância das rosas.
O estudo, feito por pesquisadores franceses, revela um processo químico até então desconhecido, relacionado à produção do odor, e que ocorre nas pétalas da planta. Comparando espécies que ainda exalam aroma forte com as que têm quase nenhum perfume, os cientistas descobriram uma enzima mais ativa nas cheirosas. Batizada com a sigla RhNUDX1, ela é chave na fabricação de moléculas que conferem o cheiro da planta.
Com o conhecimento desse novo mecanismo, os cientistas esperam poder fixar, melhorar ou reintroduzir o perfume nas pétalas. O odor natural das flores é uma característica fundamental para a reprodução dos vegetais. Além de ajudar na perpetuação das espécies, o resgate do perfume também pode recuperar o sentido de alguns antigos versos poéticos.

Fonte:http://veja.abril.com.br/noticia/ciencia/boas-de-timing-flores-sabem-a-hora-de-espalhar-o-perfume

Petúnia

Postagens mais visitadas deste blog

JARDIM VERTICAL : PAREDES VIVAS,COMO SOLUÇÃO PARA OS TEMPOS MODERNOS

PLANTAS COMPANHEIRAS E PLANTAS ANTAGÔNICAS : ALELOPATIA

XINGU : O PARQUE NACIONAL INDÍGENA DO XINGU